quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

A saída é contextualizar??


Tenho lido vários artigos sobre a contextualização do Evangelho. Uns contra ou a favor.... Mas, seria necessário o Evangelho ser contextualizado?
Pesquisando o conceito de contextualização, obtive o seguinte resultado: Ato de conformar, adaptar, ou encaixar, uma ideia, conceito, atividade, procedimento, a um contexto cultural imediato ou remoto. Contextualização tem sido vista também, como uma atualização de coisas e procedimento obsoletos a uma realidade mais dinâmica e relevante.
Bem, dentro deste conceito de contextualização, devemos analisar o seguinte fato: teria a Bíblia se tornado obsoleta ao longo da história? O Evangelho teria que ser adaptado ou encaixado a uma nova realidade? Precisamos lançar mão de novos subterfúgios para que a Igreja possa se enquadrar na sociedade moderna? São questões que tem surgido ao longo da nossa história, mas que infelizmente, quando se refere a busca de respostas, muitos tem confundido as coisas.
Em meu ponto de vista, esta é uma questão muito delicada. Muitos malabarismos tem sido inventados por homens para não perderem auditório. E o resultado disso é que o Evangelho tem perdido a sua essência. Aliás, quando o ouvimos nas pregações. Infelizmente o que mais tem sido pregado são mensagens de auto-ajuda. É um tal de 5 passo pra isso, 10 passos pra aquilo, o melhor é quando não usam os números cabalísticos tais como 7 passos para alcançar a prosperidade e por aí vai....
O que mais me preocupa nessa questão é que com a desculpa da contextualização, tem se trazido para dentro da Igreja práticas que não condizem com o estilo de vida do Reino de D-us. Usa-se o argumento de que para "atrair" as pessoas para D-us, deve ser utilizada a técnica A, B ou C, como se o Evangelho da Cruz de Cristo não fosse suficiente para atrair alguém a Ele.
Concordo que o mundo tecnológico tem crescido bastante. Mas o ser humano não tem evoluído assim. Temos vistos cada vez um número maior de pessoas sofrendo de distúrbios ligados ao estresse tanto físico quanto emocional. Pessoas frágeis, egocêntricas, que buscam a sua felicidade a qualquer custo. A sociedade não tem evoluído tanto quanto pensa. Não podemos confundir aqui liberalidade com evolução. A sociedade tem se tornado mais liberal, com assuntos que antes eram tabus, mas sinceramente, não vejo uma sociedade evoluída. Basta ligarmos a TV ou acessarmos a internet para nos depararmos com notícias tristes de uma sociedade doente. Quando nos deparamos com determinadas notícias ficamos nos perguntando o que mais ainda vamos ver?
Quando buscamos respostas, não há outro caminho senão em D-us. Nos voltamos para sua Palavra e achamos soluções, acalento, alívio. Nunca vi nada mais atual do que a Palavra de D-us. Ela trata de todos os temas necessários para que o homem viva bem sucedido e próspero nessa terra. Trata das relações humanas como nenhum livro de auto-ajuda o faz. O Evangelho nos devolve esperança, alegria mesmo em meio aos caos! O Evangelho da Cruz nos une novamente ao Pai... Não me refiro aqui ao "Gospel" que ficou tão banalizado e mundanizado por aí. Não me refiro aqui a esse pseudo-evangelho que andam pregando por aí, nem a esses falsos cristos que tem se levantando no meio daquilo que muitos tem chamado de igreja. Me refiro ao Evangelho da Cruz, ao Evangelho da Graça Salvadora. Me refiro ao Evangelho que cura, salva e liberta!!
Gostaria de deixar aqui as Palavras tão atuais, do Apóstolo Paulo em Romanos 12:1-2: "Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional.
E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus"
Creio que estas palavras do Apóstolo encerram muitos pontos da questão contextualizar. Não é a Igreja que deve se contextualizar, na verdade aqueles que se convertem a Cristo devem contextualizar seu modo de vida ao descrito na Palavra de D-us. Mas, infelizmente as coisas tem se invertido. O pecador, chamado ao arrependimento, é que tem que mudar o seu modo de pensar e agir. O pecador arrependido, deve se adequar a um novo modo de vida, como cidadão do Reino de D-us. Penso que se as coisas estivessem claras assim, muitos problemas teriam sido evitados. Muitas discussões vãs caladas. Mais uma vez o Apóstolo Paulo adverte os filhos de D-us:  Para que possais andar dignamente diante do Senhor, agradando-lhe em tudo, frutificando em toda a boa obra, e crescendo no conhecimento de Deus  - Col.1:10
Toda Glória Somente a D-us!

Um comentário:

  1. Paz do Senhor pastora Cláudia, gostei muito desse artigo. Essa é uma reflexão que todos os cristãos verdadeiros deveriam fazer. Muito oportuna. Um abraço.

    ResponderExcluir